Tatuagens no mercado de trabalho: tabu ou realidade?

A tatuagem é uma das expressões culturais mais presentes e admiradas em todo o mundo. Foi-se o tempo em que ela significava transgressão. Mas em algumas áreas do mercado de trabalho a tatuagem mantém sua fama de ser malvista. Para não perder uma vaga ou o emprego, os tatuados preferem esconder seus desenhos. Além disso, as pessoas até desistem de tatuar, com medo de não conseguirem entrar no emprego desejado.

É importante dizer que ter tatuagem no ambiente de trabalho é permitido por lei. Todas as empresas e seus empregadores, mesmo de instituições privadas, são proibidos de vetar piercings, cabelos e barbas compridos ou tatuagens em seus funcionários. Segundo a Teoria da Burocracia, apresentada no livro Introdução à Teoria Geral da Administração, do especialista em administração de empresas e recursos humanos Idalberto Chiavenato, o processo de seleção de candidatos deve ser baseado nas qualificações e aptidões técnicas dos concorrentes e não em predileções de cunho pessoal.

A tatuagem e a Constituição Trabalhista

Se o funcionário acredita que o motivo da demissão foram as tatuagens, é possível fazer uma reclamação trabalhista na Justiça do Trabalho, incluindo uma indenização por danos morais. Em 2016, o STF (Supremo Tribunal Federal), após um candidato ser desclassificado no concurso para bombeiro militar em São Paulo porque tinha uma tatuagem tribal de 14 centímetros na perna direita, decidiu, por sete votos a um, que uma pessoa tatuada não pode ser impedida de ocupar cargo público.

Os ministros estabeleceram que, para fazer concurso, o candidato poderá ter tatuagem de qualquer tamanho, visível ou não. A exceção, é claro, é para desenhos ou mensagens ofensivas, que incitem violência, racismo ou preconceito sexual, ou que estampem obscenidades.

Além disso, de acordo com o artigo 482 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), tatuagem não é motivo para uma demissão por justa causa. E a Lei nº 9.029/95 prevê como crime a discriminação de pessoas com tatuagem e piercing no ambiente de trabalho. Mesmo assim, situações como essa ainda acontecem. Em algumas empresas privadas e áreas do mercado de trabalho, é fato que as tatuagens atrapalham no processo de contratação, visto que quem contrata não é obrigado a dizer que desistiu da contratação por causa das tatuagens.

De acordo com o livro Tatuagem de A a Z, de Alex Costa, apesar de serem aceitas em áreas de atuação profissional com uma maior predominância de jovens, há ainda um certo preconceito quanto às tatuagens visíveis no mercado de trabalho. Assim, empresas que lidam com áreas de atuação mais formais, como funcionários de banco ou advogados, acabam não aceitando pessoas com algum arte corporal.

Hoje é muito comum que se veja pessoas tatuadas, mesmo em ambientes profissionais
Imagem: Getty Images

Saber por onde anda – Onde é possível estar tatuado no mercado de trabalho atual?

É aconselhável ao trabalhador mapear as carreiras e profissões que ainda possuem uma visão mais fechada e preconceituosa com os desenhos corporais. Em ambientes e setores com hierarquias mais altas e público-alvo mais conservador, como economia, política e direito, a tatuagem pode ser um grande problema. Porém, a situação muda em empresas que possuem uma cultura moderna, inovadora e focada em mercados de internet, comunicação e startups. Nessas áreas, por exemplo, é cada vez mais comum encontrar muitos profissionais tatuados, incluindo gerentes e diretores.

Ao contrário do que era dito há alguns anos, ter uma tatuagem está longe de significar rasgar suas chances no mercado de trabalho. Conforme o livro Tatto Your Soul, A Dor e o Prazer de Ser Você Mesmo, de Marcelo Galega, “a tatuagem não interfere em nada na sua vida profissional a menos que você se sinta incapacitado de exercer algum cargo ou função por ter uma tatuagem. Esse problema pode ser tratado por um psicólogo, pois revela insegurança sua”.

Fato é que a sociedade só ganha aderindo ao discurso da diversidade e pluralidade dentro dos setores, principalmente o do mercado de trabalho. É de extrema importância que as corporações possuam em seus quadros de funcionários um reflexo da nossa sociedade, plural e misturada, seja em questões de minorias sociais ou para aqueles que possuem um visual fora dos padrões. Se milhões de brasileiros já usam tatuagem, então é de se esperar que parcelas consideráveis dos colaboradores das empresas também possuam uma.

De acordo com Tiago Natal, segundo lugar no concurso de Mister Tatoo de 2019, em entrevista à Factual 900: “A tatuagem não vai influenciar na sua inteligência, na sua educação nem no seu caráter”. Esperamos que o mercado de trabalho também entenda dessa forma.

Para saber mais sobre as tatuagens e sua história, confira: https://www.factual900.com.br/historia-tatuagens/

Siga-nos nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *