Reciclagem de alimentos com Gabriela Vilela

O reaproveitamento, ou reciclagem, de alimentos é uma alternativa interessante na luta contra o desperdício, mas que ainda tem alguns pontos não esclarecidos e que, por isso, podem impedir a adoção da prática pela população em geral. Para nos ajudar, Gabriela Vilela, 19 anos, estudante de Jornalismo na Faculdade Cásper Líbero, praticante experiente de reciclagem, contou um pouco mais sobre a sua rotina e hábitos. Dá uma conferida!

Por onde você começou a conhecer o assunto ou aprendeu a fazer a reciclagem de alimentos?

Acho que comecei no mercado, comprando coisas que eu sabia que não ia jogar fora ou que eu iria aproveitar muito mais. Quando eu vim morar sozinha em São Paulo, porque me matriculei na faculdade, passei a administrar o que ia comprar, comer e jogar fora, então comecei a ter mais consciência do que eu poderia fazer com aquele alimento e a adequar minha rotina para jogar fora o mínimo de comida possível. Se eu compro alguma coisa que eu sei que eu vou usar inteiramente eu economizo tempo, dinheiro e lixo.

Você tem alguma fonte específica para aprender receitas e outras dicas de reciclagem ou você vai descobrindo aos poucos?

Olha, fonte específica, acho que não. Mas o canal Larica Vegana da Luísa Motta tem uma outra visão sobre alimentos e alimentação, e acho que eles exploram muito melhor o alimento inteiro. Fora a Luísa, tem o Instagram que eu mais me inspiro, que é o @marinasimplifica, da Marina Maia, que tem uma rotina de uma mãe que tenta não produzir lixo mesmo com dois filhos. Foi nele que eu aprendi, por exemplo, que cenoura dura mais se você deixar na água e o que você pode ou não congelar.

Qual a sua rotina de cozinha nesse quesito?  Você tem hábitos diários de reaproveitamento de alimentos?

Normalmente eu cozinho uma vez por dia – eu como a mesma coisa no almoço e no jantar – e, consequentemente, eu jogo menos comida fora. Sobre os hábitos, depende, eu vou pesquisando [receitas] conforme o que eu tenho na geladeira, e aí eu tento sempre usar antes as coisas que podem estragar primeiro.

Para quem quer começar a fazer reciclagem de comida e ainda não sabe como, você tem alguma dica/sugestão?

Eu com certeza recomendaria seguir as duas contas que eu falei e que me ajudaram bastante. Além disso, se arriscar na cozinha e não ter medo de errar. Eu acho que é muito importante que a pessoa não tenha medo de descobrir novos sabores, sabe? Tipo, a casca da banana tem um gosto diferente, mas não é porque é diferente que é ruim. Acho que esse é o ponto para você descobrir e moldar seu paladar.

>> A Factual900 está produzindo um especial sobre sustentabilidade, minimalismo, essencialismo e como ser sustentável na prática. Acompanhe as redes sociais para saber mais em breve.

Siga-nos nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *