2022, o ano dos grandes eventos

Três jovens, apaixonados por espetáculos culturais, falam à Factual900 sobre as expectativas para a retomada das aglomerações no ano que vem

Por Agatha Fernandes, Gabriel Soria e Rafaela Vazquez

Imagem de um espaço com aglomeração de jovens em um grande evento noturno, com um palco ao centro e diversas luzes coloridas iluminando o ambiente. Essa é a expectativa para o ano de 2022,com a retomada dos eventos.
Reprodução: Pixabay

Maria Clara, Giovanna e Marlon são três jovens apaixonados por eventos e, principalmente, pelos shows de música. Os três costumavam frequentar grandes atrações, mas daí veio a pandemia. Como a grande maioria, permaneceram desde março de 2020 em casa. São grandes as expectativas para a retomada dos grandes eventos em 2022. A jovem Maria Clara, vestibulanda de 17 anos, gosta tanto de ir em shows que já chegou a viajar para outro estado para ver seu ídolo favorito, Shawn Mendes, e já tem ingresso comprado para um show dele ano que vem nos Estados Unidos. “Acredito que 2022 será o ‘ano dos eventos’”, completa o assistente de manutenção Marlon, de 25.

Não é preciso uma bola de cristal para prever que 2022 será marcado como o ano dos eventos. Para entender melhor essa volta pelos olhos do público central, a juventude, a Factual900 conversou com três deles para saber como foi a decepção pandêmica e quais as expectativas para essa volta. “Se tiver condições irei em todos os shows possíveis. Estou em êxtase com o ingresso do Rock in Rio já em mãos”, adiantou a universitária Giovanna Chiquetto, 18.

As expectativas para 2022

Em 2021, a tensão causada pelos estudos dedicados aos vestibulares foi intensificada. Assim como Maria Clara Spaccasassi Bianchi, milhões de pessoas estudaram dentro de suas casas, sem contato social com amigos de escola ou cursinho. Além disso, os momentos de pausa nos estudos também foram dentro de casa, pois muitos frequentavam festas para se divertir e distrair. Com a pandemia, as baladas ficaram restritas, senão proibidas, aumentando ainda mais a ansiedade dos jovens. 

Os eventos que Marlon Montico mais sente falta são as festas universitárias. Ele gosta “da energia passada nestes eventos, pois é muito interessante e gostoso estar junto de pessoas que estão reunidas em um lugar, por um mesmo motivo, por risadas e momentos”.  Agora já formado, ele frequentará outros tipos de eventos, mas as expectativas continuam altas. “Grande parte da população brasileira está engasgada e se sentindo enjaulada. Penso que obrigatoriamente os eventos terão que ser maiores e melhores, principalmente em questão de infraestrutura, pois todos irão querer sair de casa quando tudo estiver liberado.” 

No período do confinamento, as lives serviram para saciar um pouco da vontade de ir a espetáculos presenciais. Para muitos, ver os artistas no online só fez aumentar aquela emoção de estar em frente ao palco. “Dá saudade desse calor humano, das pessoas aproveitando essa aglomeração”, diz Maria Clara. A jovem acompanhou muitas delas, por isso, sua expectativa para a volta também está altíssima. “Os eventos vão ser muito maiores, e as pessoas que não iam, agora, com a pandemia, com certeza vão querer começar a ir.”

A plataforma de insights brasileira Stilingue mapeou o sentimento de internautas sobre o que fazer e ir a shows aparece em primeiro lugar, à frente de viajar ou ir ao cinema. Entre 1º de agosto e 20 de outubro, mais da metade das mais de 520 mil publicações mapeadas pela Stilingue apontava para a vontade de ver os artistas de perto.

Nas movimentações nas redes sociais, as pessoas sinalizavam o desejo de ver, sobretudo, apresentações de Harry Styles (ainda sem shows previstos), Louis Tomlinson (no Rio de Janeiro, em 27 de maio), Justin Bieber e Demi Lovato (no Rock in Rio, em setembro), segundo a Stilingue. A plataforma de inteligência artificial vasculha a internet em torno das principais conversações.

A falta dos grandes eventos

Em 2020, Giovanna quase comprou o ingresso do Lollapalooza. Não deu certo, mas suas expectativas para a retomada dos grandes eventos em 2022 não diminuiu. Agora, está ansiosa para poder sair novamente. Tanto que já garantiu sua presença no Rock in Rio que, de acordo com ela, “promete”.

A volta dos eventos, seguindo as medidas preventivas, é necessária para aqueles trabalhadores da área que sofreram muito nos últimos dois anos. Maria Clara entende que os eventos “abrem muitas portas, não só para a divulgação de artistas e produtores, como também ajuda a manter toda uma indústria que sofreu muito nesses dois anos”. Ela tem um exemplo vivo dentro de casa. Sua mãe é fotógrafa e foi muito afetada, pois os seus trabalhos eram voltados para trabalhos em grandes eventos como, por exemplo, o Lollapalooza 2020, no qual já estava envolvida. 

“Devemos pensar principalmente em todas as pessoas ligadas diretamente aos eventos, seja qual for sua função, desde um vendedor de cachorro quente na porta de um estádio de futebol a um músico integrante de uma banda, pessoas que foram muito prejudicadas devido a essa paralisação”, acrescenta Marlon.

Previsões para a retomada 2022

De acordo com o Portal UOL, o setor de eventos prevê uma retomada com 100% da capacidade em 2022, é necessário lembrar que a produção não parou durante a pandemia, e os conteúdos estão sempre em fluxo, logo os eventos são uma forma de divulgação destes e de marcas novas e já consolidadas, que apostam nessa retomada para aumento da gama de consumidores. Diversos artistas, do mundo da música, artes plásticas, textuais, entre outros, lançaram novos materiais, e, consequentemente, espera-se que façam turnês, shows e exposições para promover essas produções.

Maria Clara aponta que por causa da pandemia conheceu diversos artistas novos e que com a volta presencial, gostaria de poder assisti-los ao vivo, assim como, ver pela primeira vez aqueles que ela não teve a chance anteriormente. Giovanna afirma que agora, quase pós-pandemia, sua preferência é por festivais, pois eles concentram diversos artistas e atrações, abrindo a possibilidade para conhecer mais pessoas e novos gêneros artísticos, sejam festivais musicais ou teatrais. 

Se as suas expectativas para a retomada dos grandes eventos em 2022 também estão altas, confira os conteúdos da Factual900 em todas as plataformas. 

Siga-nos nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *