Entre os prédios de São Paulo: prisão e liberdade

Por Beatriz Zolin, Maê Montagno, Maria Eduarda R. Arruda e Vinícius Buono

Conhecidos pelas oportunidades e realizações de cidade grande, os prédios de São Paulo também foram palco de momentos dolorosos e significativos na história do país, tal como o Massacre do Carandiru e as torturas imperdóaveis na Ditadura Militar. Para que ninguém se esqueça de tais horrores, ambientes simbólicos foram construídos em homenagem. É o caso do Memorial da Resistência e do Parque da Juventude, locais que transformaram a memória da violência em esperança e educação.

***

PARQUE DA JUVENTUDE

As pessoas que hoje passam na linha azul do metrô de São Paulo, sentido Tucuruvi, na Zona Norte, se deparam com a estação Carandiru. O nome atual está associado apenas ao bairro e à memória remanescente do presídio, uma enorme e distópica construção de concreto que ocupava o espaço aberto e verdejante do que é, atualmente, o Parque da Juventude.

Parque da Juventude no bairro do Carandiru.
Parque da Juventude no bairro do Carandiru.

A própria cadeia nem sempre foi do jeito que ocupa o imaginário da sociedade paulistana (graças, em grande parte, ao livro Carandiru, do doutor Dráuzio Varela, que gerou filme homônimo). Inaugurada na década de 1920, com capacidade para 1200 detentos, era considerada padrão de excelência e até um dos cartões postais da cidade.

Janelas do presídio do Carandiru.
Janelas do presídio do Carandiru. Foto: Moretovizky

Porém, a partir da década de 1940, a situação começou a mudar. A criminalidade disparou e a lotação máxima do presídio foi logo ultrapassada. Foi construído um anexo, chamado apenas de Casa de Detenção, ampliando a capacidade para 3.250 detentos. Mas aí se iniciaram as famosas rebeliões e brigas que assolaram a unidade até seu fechamento. 

Dez anos antes, ocorreu o triste episódio conhecido como Massacre do Carandiru. Para acabar com a rebelião de 2 de outubro de 1992 — “a brecha que o sistema queria” (Racionais MC) — a polícia entrou usando força letal e o resultado foi 111 mortos num terrível banho de sangue que marcaria para sempre a história de São Paulo e até do Brasil. O médico Dráuzio Varella, voluntário da extinto presídio, escreveu um livro que relata a história dos presos sobreviventes.

Pichação fazendo referência ao massacre do Carandiru no prédio de São Paulo da ETEC Parque da Juventude.
Pichação fazendo referência ao massacre do Carandiru na ETEC Parque da Juventude.

O caso chegou a ser julgado no Tribunal de Justiça (TJ), mas não teve desfecho. Alguns policiais foram condenados, mas o relator alegou “cumprimento de hierarquia”. As penas foram anuladas pelo TJ-SP. O Carandiru foi desativado e demolido em 2002.

Em seu lugar, o governo inaugurou em 2003 o Parque da Juventude, onde ficam também o prédio da Biblioteca de São Paulo e duas escolas técnicas, as Etecs. Próximo ao projeto abandonado do que seria uma expansão da cadeia, o Carandiru II, floresceu a liberdade entre as árvores do parque.

Parte da estrutura da penitenciária permanece intacta no Parque, sendo utilizada para observação e caminhada.
Parte da estrutura da penitenciária permanece intacta no Parque, sendo utilizada para observação e caminhada. Foto: Christopher Kirk

Chamado Dom Paulo Evaristo Arns em homenagem ao antigo cardeal e bispo-emérito de São Paulo, o projeto, concluído em 2007, foi dividido em três áreas, ao longo de seus 240 mil m²: esportiva, com quadras, pistas de cooper, skate e patins; central, com caminhos e passarelas tradicionais do conceito de parque, e institucional, onde se localizam as Etecs e a Biblioteca. Está aberto todos os dias, das seis horas da manhã às sete da noite. Existem atrações e oficinas dedicadas ao público.

Monumento "Sonho de Liberdade" doado pela Fundação Mário Covas para o Parque da Juventude onde, antigamente, encontrava-se o Pavilhão 9 do presídio do Carandiru, um dos prédios de São Paulo.
Monumento “Sonho de Liberdade” doado pela Fundação Mário Covas para o Parque da Juventude onde, antigamente, encontrava-se o Pavilhão 9 do presídio.

Apesar de ter recebido críticas por não ter levado em conta o planejamento urbano e a especulação imobiliária, o antigo prédio de São Paulo que hoje deu lugar ao Parque da Juventude trouxe um frescor de natureza à selva de pedra e é um marco da Zona Norte da cidade.

***

PRÉDIOS DE SÃO PAULO: MEMORIAL DA RESISTÊNCIA

Outro caso importante é o Memorial da Resistência, que abrigava a sede do Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo (Deops/SP) durante o regime militar. Fundado em 1924, foi utilizado desde o governo de Getúlio Vargas, no período do Estado Novo, até a ditadura de 1964 como centro de repressão e, principalmente, palco para atrocidades contra a oposição. Em meados de 1983, ao restabelecer a democracia, o órgão geral foi extinto.

Antigo prédio de São Paulo do Departamento de Ordem Política.
Antigo prédio do Departamento de Ordem Política e Social de São Paulo. Foto: Memorial da Resistência de São Paulo/Divulgação.

Após a desocupação política desse prédio de São Paulo, o que atualmente é o Museu passou por várias transformações. Em 1997, o órgão Defesa do Consumidor (Decon) liderou uma revitalização do local e assim o transformou no que seria o Museu da Liberdade até meados de 2000. Em 2004, a direção sofreu uma mudança e foi vinculada à Associação Pinacoteca Arte e Cultura (Apac). Com a gestão da Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo e, posteriormente, com o Fórum Permanente de ex-Presos e Perseguidos, houve a criação do projeto que seria, de fato, o Memorial da Resistência.

Atual Memorial da Resistência, um dos prédios de São Paulo.
Atual Memorial da Resistência. Foto: Memorial da Resistência de São Paulo/Divulgação.

No dia 24 de janeiro de 2009, o museu foi consolidado no centro de São Paulo ao lado da Pinacoteca. Além das memórias e relatos acerca do regime militar, o edifício traz programações gratuitas variadas todos os dias – exceto às terças-feiras – das 9 às 17 horas.

Reconstituição de corredor por onde passavam os presos do regime militar no prédio de São Paulo.
Reconstituição de corredor por onde passavam os presos do regime militar. Foto: Kell Kell
Siga-nos nas redes sociais

2 comentários em “Entre os prédios de São Paulo: prisão e liberdade”

  1. Pingback: Entre os prédios de São Paulo: crise e sucesso - Factual 900

  2. Pingback: Monumentos de São Paulo: descubra o que eles escondem

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *