Cartão vermelho: 6 casos de racismo no futebol

A Factual900 listou seis casos de racismo que marcaram o esporte

Por Maurício Herschander, Pedro Paulo, Rodrigo Matuck e Thiago Pansica

No último dia 10 de novembro, o meia Taison, do Shakhtar Donetsk, da Ucrânia, protagonizou uma cena que circulou por todo o mundo. Vítima de racismo por parte da torcida da equipe adversária, ele reagiu e foi expulso pelo árbitro. Casos como este não são novidade no futebol.

#1 – Caso Taison

Arquivo Pessoal
Taison, jogador do Shakhtar Donetsk


Os jogadores brasileiros Taison e Dentinho, do Shakhtar Donetsk, foram alvos de racismo durante uma partida válida pelo campeonato ucraniano. A torcida do Dinamo de Kiev entoou cânticos racistas aos dois jogadores e, após Taison revidar chutando a bola contra a torcida rival, foi expulso. Ao término da partida, os jogadores alvo das ofensas saíram chorando e, mais tarde, Taison declarou em suas redes sociais:“Jamais irei me calar diante de um ato tão desumano e desprezível!… Em uma sociedade racista não basta não ser racista, devemos ser antirracista”.

Dias mais tarde, a Associação Ucraniana de Futebol confirmou a suspensão de um jogo do brasileiro, enfurecendo a todos que acompanharam o caso. A FIFPro (Federação Internacional dos Jogadores Profissionais de Futebol) emitiu uma nota repudiando a ação dos ucranianos, dizendo que “punir a vítima de abuso racial está fora de compreensão e isso significa estar na mão daqueles que promovem este tipo de comportamento vergonhoso”. Ao Dínamo de Kiev coube uma multa de aproximadamente R$ 87 mil e uma partida com portões fechados.

#2 – Caso Zubar


Na Rússia, em partida válida pela copa da UEFA entre Zenit e Olympique de Marseille no ano de 2008, torcedores locais imitaram macacos durante todo o jogo e jogaram bananas no zagueiro francês Ronald Zubar, atleta do Olympique. Além disso, após o jogo, o então técnico do Zenit, Dick Advocaat, disse que a torcida não aceitaria a contratação de negros para a sua equipe (em 2019, quando o Zenit contratou o brasileiro Malcom, e em sua estreia pelo clube russo, a própria torcida levantou faixas que diziam “Somos conhecidos por não contratar jogadores negros. Respeitem nossa tradição”). E quem também declarou não ser favorável foi o então presidente da república Vladimir Putin: “Olhando nossos times, fica difícil saber se realmente são nossos ou são africanos”, afirmou à época.

#3 – Caso Kean

Arquivo Pessoal
Kean em sua passagem pela Juventus


Em solos italianos, o jovem atacante Moises Kean, ao marcar um gol, comemorou em frente à torcida adversária, que por sua vez proferiu gritos ofensivos contra o jogador. Após o término da partida, o italiano Bonucci, seu companheiro de equipe, disse que metade da culpa era do atleta: “Acho que ele tem 50% de culpa. Não deveria comemorar diante da torcida adversária e os torcedores não teriam reagido dessa maneira”. Em resposta, jogadores como Pogba e Matuidi se solidarizaram com Kean pelo ocorrido. O caso aconteceu em abril de 2019.

#4 – Caso Balotelli

Arquivo Pessoal
Balotelli em treino do Brescia


Também na Itália, o atacante Mauro Balotelli vem sendo vítima frequente de racismo. Após ser ofendido pela torcida do Verona, o jogador do Brescia chutou a bola contra a arquibancada e chegou a abandonar a partida, mas foi consolado pelos companheiros, retornou minutos depois e ainda marcou um gol. Porém, o treinador do Verona, alguns torcedores e até mesmo o prefeito da cidade alegaram que não houve preconceito.

O presidente do clube de Balotelli declarou: “É negro, o que devo dizer? Está trabalhando para se clarear, mas está com dificuldade”. Isso aconteceu em 2019, há três dias. 

#5 – Caso Aranha

O caso de Aranha, em sua passagem pelo Santos em agosto de 2014, é um dos mais emblemáticos do futebol brasileiro. Durante toda a partida, torcedores do Grêmio imitaram macacos e xingaram o arqueiro. O goleiro reagiu afirmando “Sou preto sim, sou negão sim”. Após o jogo, reforçou que não xingou a torcida, mas se defendeu. O time gaúcho foi penalizado pela CBF e foi eliminado da Copa do Brasil por conta disso. Os gremistas nunca aceitaram o desfecho da história. Para eles, o goleiro provocou a confusão. 

#6 – Caso Fábio Coutinho


Em Minas Gerais, em um jogo do Atlético Mineiro, um torcedor revoltado começou a discutir com o segurança do estádio, Fábio Coutinho, até chegar ao ponto de insultá-lo. O torcedor teria dito “Você pôs a sua mão em mim. Olha sua cor”. Após o ocorrido, ele admitiu ter proferido as ofensas, mas tentou se explicar, dizendo que não era racista e que além de ter parentes negros, quem corta seu cabelo também negro. O caso é recente e ainda está sob investigação  

Siga-nos nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *