Black Friday: consumo e publicidade

As festas de fim de ano se aproximam e, assim como outras datas festivas, elas têm algo em comum: o incentivo ao consumo.

Realizada na quarta sexta-feira do mês de novembro, a Black Friday nasceu nos Estados Unidos e nos últimos anos foi uma data marcante também para os brasileiros. Em 2018, a promoção superou expectativas, tendo um faturamento de R$ 2,6 bilhões no e-commerce entre quinta e sexta-feira, um volume 23% maior do movimentado em 2017.

A origem da Black Friday

Apesar de ser algo novo para os brasileiros, a Black Friday já é um ritual antigo para o povo dos Estados Unidos. Sua origem data de meados da década de 1960. A tradição surgiu, porque a população emendava o feriado de Ação de Graças (que acontece em uma quinta-feira próxima ao Natal) para descansar e aproveitar a sexta-feira fazendo as compras de fim de ano.

O nome “Black friday” teria uma origem contábil. No artigo “Uma análise do comportamento do consumidor na Black Friday”, publicado pela Eastern Illinois University, afirma-se que devido ao fato de os lucros, antigamente, serem registrados em preto e o prejuízo em vermelho. Assim, como os varejistas “…dependem fortemente das vendas da temporada de festas”, a data seria um período em que o registro ficaria preto, com lucro.

A ascensão da Black Friday no Brasil

A Black Friday chegou ao Brasil em 2010. Na época apenas pouco mais de 50 lojas online participaram da ação, que gerou um faturamento total de R$ 3 milhões.

De uns anos pra cá, a ação que, no começo envolvia mais lojas online chegou a grandes lojas físicas, que realizam promoções para o dia como, por exemplo o Burger King. A franquia de lanchonetes fez este ano uma promoção de três lanches por R$ 15.

Além da maior adesão entre estabelecimentos, também aumenta no Brasil a proporção famílias que usam a ocasião para comprar os presentes para o Natal. Neste ano, mais de 40% dos consumidores irão antecipar as compras, de acordo com a Sociedade Brasileira de Varejo e Consumo (SBVC).

Com a entrada do 13º salário e dos benefícios do FGTS, estima-se que a economia seja fortemente turbinada nesses dias.

Oportunidade ou vício em consumo?

Se para alguns brasileiros, a Black Friday vem se convertendo em uma oportunidade de antecipar as compras de Natal, para outras pessoas ela pode ser mais uma chance de extravasar seu consumismo.

Fátima Aparecida da Silva, 64 anos, conta neste vídeo alguns desafios que já enfrentou por ser consumista.

A publicidade na Black Friday

A vocação comercial está na essência da Black Friday. Por isso, o apelo publicitário ao consumo nesta época do ano é reforçado pela data. O Factual 900 conversou com um publicitário para entender um pouco mais sobre isso.

Toni Fernandes cedeu entrevista para falar sobre publicidade na Black Friday. Foto: Wave Festival

“A data [Black Friday] é gigantesca e não tem como voltar atrás. Porém, tem que tomar cuidado para não ofuscar o Natal”, afirma Toni Fernandes, ex-diretor criativo da F/Nazca, agência de publicidade brasileira fundada em 1994 e que atendeu grandes clientes como Skol, Honda e Shell”.

Em 2017, a F/Nazca realizou uma ação em conjunto com a empresa de artigos esportivos Velocitá, especializada em corrida. Na ocasião, o desafio intitulado de Black Friday Run cedia 1% de desconto a cada KM corrido pelo participante da promoção. Fernandes não estava envolvido na ação de marketing em questão, mas ressaltou que é importante existir uma propaganda por trás de ações como essa.

“Ninguém gosta de propaganda (…) Mas tem que ser algo legal, divertido e que toque as pessoas de alguma forma”

Siga-nos nas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *